VoltarImprimir

Memória em Destaque

Memória em Destaque

O projeto Memória em destaque tem como objetivo divulgar a história do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) por meio do acervo do Memorial da instituição. Mensalmente, objetos, documentos, fatos ou biografias são destacados no ambiente expositivo e apresentados nos veículos de comunicação da Procuradoria-Geral de Justiça, onde são evidenciadas peculiaridades e informações técnicas, descritivas e narrativas dos itens expostos. 

Série Especial: Corregedores Gerais do Ministério Público

Há mais de 60 anos, começavam as atividades correcionais no Ministério Público de Minas Gerais (MPMG): em 1948, foi criado o Conselho Disciplinar de Justiça – órgão ao qual se atribuiu o encargo de atuar como corregedor no âmbito do Ministério Público.

Entretanto, durante muito tempo, o procurador-geral de Justiça foi o responsável por acompanhar a carreira do procurador e do promotor de Justiça e, quando necessário,por atuar como corregedor. Com o crescimento da instituição, surgiu a necessidade de se designar alguém para exercer especificamente tal função.

Assim, em 1972, o procurador-geral de Justiça Wagner de Luna Carneiro baixou ato administrativo criando a Corregedoria-Geral do Ministério Público de Minas Gerais – criação essa que se efetivou com a publicação da Lei n.º 6.276, de 26 de dezembro de 1973. 

Destaque do mês

Afrânio Proença (1988-1991)

Nasceu na cidade de Brasília de Minas, graduando-se em Direito pela Universidade de Minas Gerais em 1955. Formou-se também em Biblioteconomia, pela mesma Universidade, em 1951.

Ingressou no Ministério Público em 1956, passando pelas comarcas de São Romão, Januária, Serro, Mariana e Belo Horizonte.

Foi o 2º tesoureiro da Associação Mineira do Ministério Público (AMMP) no biênio 1975-1977; e o 2º secretário da AMMP no biênio 1977-1979.

Em 1979, foi promovido ao cargo de procurador de Justiça.

Exerceu por duas vezes o cargo de corregedor-geral do Ministério Público. O primeiro mandato, de março de 1988 até dezembro de 1989, sendo escolhido pelo procurador-geral de Justiça Aluízio Alberto da Cruz Quintão, entre lista tríplice votada pelo Colégio de Procuradores. Em seguida, foi reeleito, dessa vez nomeado pelo procurador-geral de Justiça Tibúrcio Nogueira Lima, exercendo o mandato até dezembro de 1991.

Ao longo da vida, foi professor de ginásio em Januária e Mariana. Foi também Presidente da Sociedade dos Amigos do Rio São Francisco e fundador do Instituto Cultural do Médio São Francisco, em Januária. Foi ainda professor nos cursos de Licenciatura de 1º grau da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica de Minas Gerais, em Mariana.

Aposentou-se em 1992. Faleceu em 2015.

 
Confira os destaques anteriores: