VoltarImprimir

Memória em Destaque

Memória em Destaque

O projeto Memória em destaque tem como objetivo divulgar a história do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) por meio do acervo do Memorial da instituição. Mensalmente, objetos, documentos, fatos ou biografias são destacados no ambiente expositivo e apresentados nos veículos de comunicação da Procuradoria-Geral de Justiça, onde são evidenciadas peculiaridades e informações técnicas, descritivas e narrativas dos itens expostos. 

Série Especial: Corregedores Gerais do Ministério Público

Há mais de 60 anos, começavam as atividades correcionais no Ministério Público de Minas Gerais (MPMG): em 1948, foi criado o Conselho Disciplinar de Justiça – órgão ao qual se atribuiu o encargo de atuar como corregedor no âmbito do Ministério Público.

Entretanto, durante muito tempo, o procurador-geral de Justiça foi o responsável por acompanhar a carreira do procurador e do promotor de Justiça e, quando necessário,por atuar como corregedor. Com o crescimento da instituição, surgiu a necessidade de se designar alguém para exercer especificamente tal função.

Assim, em 1972, o procurador-geral de Justiça Wagner de Luna Carneiro baixou ato administrativo criando a Corregedoria-Geral do Ministério Público de Minas Gerais – criação essa que se efetivou com a publicação da Lei n.º 6.276, de 26 de dezembro de 1973. 

Destaque do mês

Ruth Lies Scholte Carvalho (1995-1997)

Nasceu na cidade de Ouro Preto, graduando-se em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais em 1971. Graduou-se também em Letras, em 1971.

Entre 1967 e 1970, foi professora de Português e Francês nos Colégios Anchieta e São Luiz, em Belo Horizonte.

Exerceu advocacia entre 1971 e 1983.

Ingressou no Ministério Público em 1984, passando pelas comarcas de Espinosa, Mateus Leme, Caeté, Contagem e Belo Horizonte.

Em 1993, foi promovida ao cargo de procuradora de Justiça.

Em dezembro de 1995, foi eleita, pelo Colégio de Procuradores, para o cargo de corregedor-geral do Ministério Público, sendo a primeira mulher a exercê-lo no parquet mineiro.

Na Associação Mineira do Ministério Público, ocupou os cargos de diretora administrativa (2001 a 2003) e vice-presidente (2003 a 2005).

Entre 2005 e 2007, integrou o Conselho Nacional de Justiça, como representante dos Ministérios Públicos estaduais.

Em seguida, ocupou o cargo de procuradora-geral de Justiça adjunta jurídica (2008 a 2009).

Em 2012, foi nomeada Ouvidora do Ministério Público, exercendo o mandato por duas gestões: 2012 a 2014 e 2014 a 2016.

 
Confira os destaques anteriores: