VoltarImprimir

Notícias

Institucional29/08/2019
Semana do Ministério Público discute combate à criminalidade
Semana do Ministério Público discute combate à criminalidade

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) promoveu de 11 a 13 de setembro a Semana do Ministério Público 2019, com o tema Combate à criminalidade: diálogos, novas perspectivas e tecnologias. O evento, tradicionalmente realizado em setembro em comemoração ao Dia do Ministério Público de Minas Gerais (11/9), contou com diversas atividades, como palestras, ações culturais, homenagens e reuniões de trabalho, realizadas na Procuradoria-Geral de Justiça, em Belo Horizonte.

Confira a cobertura do evento:

11/9 - Semana do Ministério Público 2019 discute o combate à criminalidade no país

11/09 - Medalha do Mérito: MPMG homenageia personalidades e entidades que contribuíram para mitigar impactos da tragédia de Brumadinho

 12/09 - MPMG lança ferramentas digitais que agilizam a análise de dados

12/09 - Semana do MP exibe documentários sobre assédio e violência contra mulheres na zona rural

12/09 - Semana do MP: promotor de Justiça apresenta palestra ‘Justiça Restaurativa – desafios e expectativas’

12/09 - Peça de teatro e roda de conversa abordam violência contra a mulher

13/09 - Acordo de não-persecução penal contribui para a eficiência da justiça e evita novos crimes, avalia conselheiro nacional do Ministério Público

 13/09 - No último dia da Semana do MP 2019, ministro do STF fala sobre necessidade de inovar no combate ao crime organizado

13/09 - Palestras sobre macrocriminalidade encerram a Semana do Ministério Público 2019

 

Veja aqui fotos do evento.


Criminalidade

A sociedade brasileira constata, diariamente, por meio dos veículos de comunicação, retratos cotidianos de algumas faces da criminalidade no Brasil, expressos em manchetes como: “Operação desarticula esquema de fraudes em licitações e contratos no Sul de Minas”; “Criminosos atacam banco em Uberaba, trocam tiros com a PM e deixam feridos”; “Operação na Maré apreende 23 fuzis e prende número 2 do tráfico”; “Máfia italiana, tida como maior do mundo, se alia ao PCC em São Paulo”; “Mulher morre depois de ter o corpo incendiado pelo ex-marido”, entre outras.

Em contraste com a sensação de aumento da criminalidade, dados do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais, de Rastreabilidade de Armas e Munições, de Material Genético, de Digitais e de Drogas (Sinesp) registram queda na ocorrência de crimes no país, comparando-se o primeiro trimestre de 2019 com o mesmo período de 2018. Nos três primeiros meses de 2019, em relação ao mesmo período do ano passado, os índices chegaram a cair 41% no caso de roubo a instituições financeiras e 38% nos registros de roubo de carga. Houve, ainda, queda de 30% no roubo de veículos; 23% no roubo seguido de morte; 23% de latrocínio; 22% nas taxas de homicídio doloso (ao considerar o feminicídio, a queda é de apenas 6%); 12% no furto de veículos; 11% em tentativas de homicídio e 5% de diminuição nos registros de crimes de estupro.

Os números levam aos seguintes questionamentos: quais as causas dessa redução nos indicadores de criminalidade? Seriam ações mais rígidas em presídios; integração das forças de segurança; investimento tecnológico nas polícias e nos Ministérios Públicos? Em que medida as atividades dos órgãos de execução do Ministério Público contribuem ou podem contribuir com este cenário aparentemente positivo?

A Semana do Ministério Público de 2019 discutiu essas e outras questões, como as causas do índice elevadíssimo de homicídios no Brasil em comparação com a média mundial e uma escala ainda maior de feminicídios, a fim de avaliar o contraste entre os indicadores positivos com a sensação de insegurança que gera mais demandas da sociedade por ações do Ministério Público como um dos protagonistas do sistema de Justiça.