VoltarImprimir

Notícias

Meio Ambiente22/01/2020
MPMG organiza visita técnica a obras que visam a recuperação socioambiental da Bacia do Rio Paraopeba

Apresentar às instituições do sistema de Justiça as estruturas de contenção e tratamento dos rejeitos que foram construídas pela Vale, em 2019, para recuperação da Bacia do Rio Paraopeba. Esse foi o objetivo da visita técnica organizada pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) à Estação de Tratamento de Águas Fluviais (Etaf) Iracema, em Brumadinho, nessa terça-feira, 21.



Além das promotoras de Justiça Andressa de Oliveira Lanchotti e Giselle Ribeiro de Oliveira, representando o MPMG, participaram da visita integrantes do Ministério Público Federal, Defensoria Pública, Secretarias de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e Planejamento e Gestão, Advocacia-Geral do Estado, Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Fundação Estadual de Meio Ambiente, Universidade Federal de Minas Gerais, Aecom e Vale.

A visita para supervisionar os trabalhos de reparação ambiental teve início na Etaf Iracema, estação que trata o rejeito a montante da confluência do Rio Ferro-Carvão com o Paraopeba. Os representantes das instituições vistoriaram também outras estruturas, como as barreiras de contenção de calha, cortinas estaca-prancha* e marco zero (área de confluência entre os rios Ferro-Carvão e Paraopeba).

Segundo a coordenadora da força-tarefa do MPMG, promotora de Justiça Andressa Lanchotti, “o MPMG temos acompanhando, desde o primeiro momento, a implementação dessas estruturas, seja diretamente ou via auditoria independente. A Aecom, empresa de auditoria externa que está prestando serviços ao Ministério Público, vem direcionando as ações feitas pela Vale, o que possibilitou um progresso considerável em 2019”, ressalta a promotora de Justiça.

Ainda de acordo com a promotora de Justiça, há um trabalho colaborativo com os demais órgãos e instituições. “Essa atuação permite resultados mais céleres e mais efetivos”, destaca.

Conforme a promotora de Justiça, a visita também foi importante para nortear o planejamento das próximas ações. Ouça:


Etaf Lajinha
Uma outra estação entrou em operação em setembro de 2019, Etaf Lajinha, para tratar os rejeitos da calha do Paraopeba.

 



*Tipo de estaca frequentemente utilizado na execução de ensecadeiras e para proteger, temporariamente, poços de fundação. As cortinas de estacas-prancha também podem ser de aplicação permanente, podendo ser executadas como barreiras estanques para proteção contra cheias e solos contaminados ou como paredes de retenção.

 


Ministério Público de Minas Gerais
Superintendência de Comunicação Integrada
Diretoria de Imprensa
Twitter: @MPMG_Oficial
Facebook: www.facebook.com/MPMG.oficial
Instagram: www.instagram.com/MPMG.oficial
22/01/2020