VoltarImprimir

Notícias

Crime Cibernético11/04/2019
MPMG discute hoje bullying, cyberbullying e direitos fundamentais

Palestrantes são membros do MPMG e do MPBA e especialistas em educação de Pernambuco e São Paulo

MPMG discute hoje bullying, cyberbullying e direitos fundamentais

 O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (Ceaf), está discutindo hoje o tema “Bullying, Cyberbullying e direitos fundamentais no Estado democrático de Direito”, em comemoração ao Dia Nacional de Combate ao Bullying. O seminário se estende até as 18h30, no Auditório Vermelho da Procuradoria-Geral de Justiça, em Belo Horizonte.

Na abertura, o diretor do Ceaf, promotor de Justiça Edson Ribeiro Baêta, destacou que o tema é pertinente nesse momento em que o país vivencia tanto ódio virtual. “Precisamos saber de quais mecanismos dispomos para combater essa violência e assim contribuir para uma sociedade mais humana, mais justa”. E citou Umberto Eco, o escritor e filósofo italiano que afirmou que “a internet deu voz aos idiotas”. Baêta lembrou que as autoridades devem dar bom exemplo não se excedendo nas redes sociais. “E penso que é importante a contribuição que o Ceaf pode dar”, analisou.

A presidente da mesa, promotora de Justiça com atuação na Coordenadoria Estadual de Defesa da Educação (Proeduc) Daniela Yokoyama, que presidiu os trabalhos na parte da manhã, disse que a experiência com o cyberbullying no ambiente escolar precisa ser compartilhada. “O que tem sido feito para evitar situações extremas, como o caso de Suzano?”, questionou. Para ela, é impossível pensar em educação de qualidade sem cuidar do problema da violência. “Não teremos respostas rápidas, mas já temos legislação, experiências concretas e consenso em torno desse fenômeno tão complexo, que é a violência virtual”.

A coordenadora Estadual de Combate aos Crimes Cibernéticos (Coeciber), Christiane Cotrim Assad Bensoussan, apresentou o tema “Cyberbullying e cibercrimes: questões concretas – Crimes cibernéticos e proteção dos direitos fundamentais”. “A internet reverbera o que a sociedade é”, ressaltou a palestrante. E mostrou o apelo do Papa Francisco para o bom uso da rede, no Tweet “Façamos da internet um lugar seguro e rico em humanidade, uma rede que não aprisiona, mas ajuda a crescer”.

O promotor de Justiça do MP da Bahia e coordenador do Núcleo de Crimes Cibernéticos, Moacir Silva do Nascimento Júnior, proferiu a palestra “Cyberbullying e Estatuto da Criança e do Adolescente: reflexões e desafios”. Ao falar sobre a intolerância na rede, ele mostrou um caso que levou ao suicídio um estudante que teve a homossexualidade divulgada por um colega de quarto.

Na sequência, o promotor de Justiça do MPMG Lélio Braga Calhau apresentou o tema “Cyberbullying e Direito Digital Comparado”.

Na parte da tarde, Daniela Yokoyama preside os trabalhos.

A doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano, do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP), Maria Suzana de Stefano Menin, aborda o tema “Bullying e as pesquisas sobre o papel das escolas para a adesão a valores morais”.

A doutora em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco, Catarina Carneiro Gonçalves, discute “Bullying, violência nas escolas, desafios da convivência escolar e a Lei Federal nº 13.636/18”. A palestrante se dedica a pesquisa sobre conflitos e violência na escola, com ênfase as situações de Bullying, Práticas de Desengajamento Moral e Formação de Educadores para Gestão dos conflitos.

Já a pós-doutora pela Universidade do Minho de Portugal e doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela USP, Luciene Regina Paulino Tognetta, discorre sobre “Bullying e aspectos práticos da aplicação concreta da Lei Federal nº 13.185/15”.

Na sequência, a promotora de Justiça com atuação na Defesa dos Direitos das crianças e dos adolescentes de Belo Horizonte, Danielle de Guimarães Germano Arlé, traz o tema “Justiça restaurativa e bullying”.

O promotor de Justiça com atuação no Centro Integrado de Atendimento ao Adolescente Autor de Ato Infracional (CIA BH), Márcio Rogério de Oliveira, discorre sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e suas relações com as leis federais antibullying.

Retomando o debate, o promotor de Justiça Lélio Braga Calhau traz o tema “Compliance escolar, bullying e cyberbullying”.

Às 18h20, após os debates, a presidente da mesa, Carla Maria Alessi Lafetá de Carvalho, promotora de Justiça do MPMG, com atuação na defesa da Educação, encerra os trabalhos.
 



Ministério Público de Minas Gerais
Superintendência de Comunicação
Integrada Diretoria de Imprensa
Twitter: @MPMG_Oficial
Instagram: @mpmg.oficial
Facebook: www.facebook.com/MPMG.oficial
11/04/2019






 


Compartilhar: