VoltarImprimir

Notícias

Violência Doméstica11/09/2017
Projeto busca novas formas de combate à violência contra a mulher em Itajubá
Projeto busca novas formas de combate à violência contra a mulher em Itajubá

Um projeto desenvolvido em conjunto, desde o início do ano, pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e pela Defensoria Pública de Minas Gerais (DPMG) vem trazendo novas formas de lidar com casos de violência contra a mulher em Itajubá, no sul de Minas. O Projeto Conviver busca criar e aplicar políticas públicas dentro da perspectiva de que a real mudança nesse contexto não é possível quando se trabalha exclusivamente com a vítima.

Assim, são realizados trabalhos também com os homens autores de violência contra as mulheres e, como ação preventiva, a conscientização de crianças e adolescentes nas escolas da região. As ações envolvem também a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), o Centro Universitário de Itajubá (Fepi), a Superintendência Regional de Ensino de Itajubá, o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e o Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Capsad).

Segundo o promotor de Justiça André Cardoso Cavalcanti, a necessidade de se buscar alternativas para o tratamento das questões ligadas à violência contra a mulher surgiu a partir da verificação do aumento no número de casos em Itajubá nos últimos anos. Em 2016, foram registrados pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) 637 casos, uma média de 53 casos por mês. “Essa realidade configura-se um grave  problema de saúde pública, visto que traz repercussões severas sobre a integridade física e a saúde mental das mulheres”, explica ele.

A defensora pública Jacqueline Carneiro Roque Peyrer, que está à frente do projeto pela DPMG, explica que “é necessário educar o agressor e também as crianças e adolescentes. Nós somos fruto de uma sociedade machista que deve ser transformada, visando à real igualdade de gêneros. Acredito que, além do auxílio à vítima, é essencial que os agressores sejam tratados e educados. E, visando à mudança no comportamento e pensamento, é importante o trabalho de conscientização e educação das gerações mais novas."

Entre as iniciativas criadas estão os chamados centros de reabilitação para os agressores. Enquanto as vítimas são encaminhadas para a rede de atendimento tradicional – Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (CPPMI) e Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) – os homens participam de grupos organizados pelo Centro Universitário de Itajubá (Fepi). São ministradas palestras de caráter psico socioeducativo que estimulam a participação deles no processo de responsabilização de suas atitudes e na compreensão de fatores históricos e culturais que contribuem para a sua atuação violenta.

Concurso de redação
Entre as ações preventivas nas escolas está em andamento um concurso de redação e desenho envolvendo os alunos da rede estadual de Itajubá, desde o ensino fundamental e ensino médio, até a Educação de Jovens e Adultos (EJA) e a elevação da escolaridade (metodologia Telessala). Com o tema “A Proteção da Mulher e da Família”, a iniciativa tem como objetivo conscientizar sobre o aumento da violência contra a mulher na cidade, trabalhando com o envolvimento dos alunos, professores, gestores e demais profissionais nas escolas estaduais visando sua prevenção e extinção.

Os professores irão escolher os melhores trabalhos de cada turma, que passarão por uma comissão da escola para eleição dos melhores de cada unidade. Na etapa seguinte, uma comissão da Superintendência Regional de Ensino (SRE) vai definir os melhores de cada nível de escolaridade, que irão para a definição final dos três vencedores de cada nível. A premiação está prevista para o dia 24 de novembro, no Teatro Municipal de Itajubá.

A integração entre os órgãos e instituições tem sido motivo de elogios por parte da comunidade itajubense. Como resultado, empresas privadas vêm demonstrando interesse e buscando formas de se unirem ao projeto.


Compartilhar: